• Ale Nagado

A Filosofia de Mestres do Mangá e do Animê

Algumas reflexões sobre mangá, animê, criatividade e vida, por grandes veteranos da indústria cultural japonesa.

Hayao Miyazaki. Ao fundo, Ponyo

Em 1997, saiu nos EUA pela Cadence Books o livro Anime Interviews, uma coletânea de entrevistas exclusivas realizadas com desenhistas, diretores e autores japoneses que foram publicadas na revista Animerica (Viz Comics) entre 1992 e 97. Em suas páginas, preciosas declarações de respeitados profissionais que podem inspirar novos autores. Elas refletem a postura profissional e filosofia de vida de vários artistas cujos trabalhos têm profunda relevância no cenário da cultura pop japonesa. Todos ainda estão em atividade e possuem obras de grande impacto. Para esta postagem, selecionei e traduzi algumas frases que achei muito interessantes e que podem servir para ideias e discussões entre entusiastas, pesquisadores, artistas iniciantes, profissionais e fãs. São pequenos fragmentos das entrevistas, destacados por terem significado e capacidade de inspirar reflexões, não apenas sobre trabalho, mas sobre posturas perante a vida por parte de gente que criou histórias envolventes para várias gerações. Algumas frases são acompanhadas de comentários deste que vos escreve, mas gostaria de saber seus comentários e impressões. Espero que goste e se inspire com os textos abaixo.

::: FRASES SELECIONADAS :::

"Space Adventure Cobra", de Buichi Terasawa.

“Mangá é uma mídia visual. Então, as pessoas podem pensar que a arte é o aspecto mais importante. Mas na verdade, a história é muito mais importante. Uma série de belas imagens não faz um mangá.”

- Buichi Terasawa Autor de mangá (Space Adventure Cobra, Midnight Eye Goku, Karasu Tengu Kabuto)


"Ghost In The Shell", de Masamune Shirow

"Meu conselho não é apenas para artistas de quadrinhos ou animação, mas para pessoas de qualquer ocupação. Uma vez que tenha feito sua escolha, faça isso com toda sua força - ponha-se no limite e seja tão agressivo quanto possível... Sem ser um incômodo para outras pessoas, é claro. (rs) Mas se a coisa mais apaixonada que você pode dizer é 'Talvez eu possa ser um artista de mangá algum dia', então você estará limitado a desanimar ao primeiro sinal de problemas, não importa o quão talentoso você seja. Acima de tudo, dizem que trabalhar duro é uma grande parte do que chamamos de 'talento'. " - Masamune Shirow Autor de mangá (Ghost in The Shell, Dominion Tank Police, Appleseed)


Card Captor Sakura, do estúdio CLAMP.

"Talvez a coisa mais importante seja ter uma compreensão sobre o motivo pelo qual se está desenhando. É pelo dinheiro? Há alguma coisa que você realmente quer desenhar, pela qual você irá suportar qualquer dificuldade para fazer acontecer? Se você sabe qual é o seu objetivo, você provavelmente não ficará desanimado quando estiver meio longe de atingir." - Nanase Ohkawa (CLAMP) Roteirista, integrante do grupo CLAMP (Sakura, Rayearth, X-1999, Chobits) [Nota: Repare que ela não faz juízo de valores, sendo o 'desenhar por dinheiro´ uma opção profissionalmente tão válida quanto qualquer outra. É o que fazem, por exemplo, ilustradores editoriais e desenhistas publicitários. É questão de saber qual sua motivação.]


Nausicaä do Vale do Vento, de Hayao Miyazaki

"Eu não sou uma pessoa agnóstica ou algo assim, mas eu não gosto da ideia de uma sociedade que desfila sua retidão superior. A superioridade moral dos EUA, da China, do Islã, deste ou daquele grupo étnico, do Greenpeace, dos empreendedores... Todos clamam serem moralmente superiores, mas todos tentam coagir os outros com seus próprios padrões. Eles restringem os outros, seja com poder militar, poder econômico, poder político ou a opinião pública." “Fazer um filme significa criar entretenimento para um monte de gente, mas não é o tipo de coisa que você pode quantificar. Entreter um grupo de pessoas não é melhor ou pior do que entreter uma única pessoa e fazer desse indivíduo alguém feliz.”

- Hayao Miyazaki Diretor de animê (A Viagem de Chihiro, Ponyo, O Castelo Animado, Meu Vizinho Totoro) [Nota: Mais de 20 anos atrás, Miyazaki detectou e previu o perigo do "politicamente correto", que leva ao controle da opinião pública através da linguagem.]


"Oh My Goddess!", de Kosuke Fujishima

“Um artista basicamente desenha mangá para comunicar uma ideia para outros. A ideia não será comunicada se o trabalho é compreensível somente para seu criador... Eu acho que o sentido do mangá é se fazer entender por tantas pessoas quanto for possível.” "Acho que a função da animação é melhor atingida quando um trabalho tem um sabor diferente do mangá original, mesmo que esse mangá e o animê dividam o mesmo universo."

- Kosuke Fujishima Autor de mangá (Oh My Goddess!, Taiho Shichau Zo ~ You´re Under Arrest)

Ranma 1/2, de Rumiko Takahashi

“Mangá é entretenimento, acima de tudo. E por ser uma forma de entretenimento, ao invés de uma cultura em separado, é inevitável que elementos culturais influenciem. Isso descreve o mundo em que vivemos. Saber que o mangá é lido na América... Acho que é maravilhoso se eu posso fazer rir gente de todo tipo de fronteiras. Eu acho que mangá é sobre sentimentos, sobre ter medo, felicidade ou tristeza. A respeito disso, eu acho que somos todos iguais.” "Eu apenas venho com uma ideia simples e divertida. Não sou o tipo de pessoa que pensa em termos de uma agenda social."

- Rumiko Takahashi

Autora de mangá (Ranma ½, Inu-Yasha, Urusei Yatsura, Maison Ikkoku) [Nota: Na época da entrevista, o mangá não era o fenômeno mundial que é atualmente e havia poucas publicações nos EUA. A segunda frase foi pinçada de uma resposta a um questionamento ideológico em Ranma 1/2, o lutador que caiu num lago amaldiçoado e vira mulher quando molhado com água fria.]

Macross, do estúdio Tatsunoko Pro.

"Originalidade está se tornando algo raro em todo o mundo. Então, você devia aspirar a ser alguém original. Eu fico feliz que você goste de animê, mas acho que é também uma boa ideia que você se interesse por outra área, mesmo que animê seja sua coisa favorita. Naturalmente, é mais fácil atingir um alto nível quando você está focado em uma única direção, mas é importante manter um equilíbrio entre tal intensidade e uma perspectiva mais abrangente."


- Shoji Kawamori

Diretor de animê, designer mecânico (Macross, Crusher Joe, Patlabor 2, AKB0048)


Mobile Suit Gundam, do estúdio Sunrise

"Quando as pessoas pensam em uma pessoa criativa na indústria, provavelmente pensam em alguém que trabalha com uma folha em branco. Na verdade, mesmo os maiores gênios tendem a desenhar ideias a partir de seu meio ambiente. Acho que isso descreve um método legítimo de ser criativo." "Do meu ponto de vista como o criador original, o fato de não poder controlar todo esse universo é algumas vezes muito frustrante."


- Yoshiyuki Tomino

Diretor de animê, roteirista, escritor e letrista (Gundam, Ideon, Dunbine, Xabungle, L-Gaim)


[Nota: Tomino criou o conceito básico de Gundam e dirigiu vários clássicos da saga, mas os créditos oficiais de autoria são para Hajime Yatate, pseudônimo do estúdio Sunrise, que é o detentor dos direitos da franquia.]

Alexandre Nagado


--------------------------------------------


Campanha no ApoioColetivo - Contribua com qualquer valor a partir de R$ 5,00 e incentive a continuidade deste blog.


Aplicativo p/ smartphone do Sushi POP - Não perca nenhuma atualização! Use o link para se juntar à comunidade: http://wix.to/KxHotzG?ref=so. Já tem o app? Use o código de convite: 6Q946U