• Ale Nagado

Nietzsche em mangá

A adaptação em quadrinhos de um clássico da filosofia.

Em uma cidade europeia do século XIX, vive Zaratustra, jovem filho de um pastor protestante bondoso, porém com uma visão bastante limitada sobre teologia e fé. Cheio de dúvidas atormentando sua alma, com um senso crítico sem limites e um coração cheio de maldade e ressentimento, Zaratustra não demora a abandonar sua família.

Com sua inteligência e visão de mundo peculiares, ele resolve devotar sua vida a refletir sobre a condição humana. Isso, mais seu espírito impiedoso, o leva a agredir pessoas que considera inferiores, enquanto busca divulgar suas conclusões filosóficas, incluindo a ideia de que "Deus está morto". Enquanto isso, uma misteriosa mulher chamada Salomé espreita sua vida, desafiando-o a buscar conhecimento.

O mangá Assim Falou Zaratustra adapta um dos mais famosos livros do filósofo alemão Friedrich W. Nietzsche (1844~1900). Com seu estilo poético e furioso, ele trabalha alguns de seus mais famosos conceitos, como a ideia de que o homem é um ser intermediário entre o animal e o "super-homem". Em sua visão, esse tal super-homem (ou "além do humano") deveria ter auto-controle (que falta aos animais) e uma boa consciência (que falta aos humanos). Outro de seus conceitos abordados em Zaratustra é o do "eterno retorno", no qual ele dizia acreditar que todos os homens vivem ciclos infinitos de morte e renascimento, voltando no tempo ao ponto do nascimento depois de morrer e vivendo tudo exatamente do mesmo jeito.

Profundamente crítico em relação ao cristianismo, segundo o escritor alemão Paul Kleinman, ele também rejeitava o ateísmo e imaginava que a humanidade abraçaria o niilismo, o que é debatido por estudiosos de sua obra. Acima de tudo, Nietzsche buscava uma afirmação da vida, sendo apaixonado pela ideia do poder da vontade humana.

A religiosidade era algo que ele desprezava profundamente, baseado em observações sobre o comportamento de maus religiosos e do povo em geral, e não fundamentado em conhecimento teológico ou na crítica a obras de filósofos católicos como Santo Agostinho ou Santo Tomás de Aquino.


Escrito entre 1883 e 1885, a saga reflexiva de Zaratustra é na verdade uma obra incompleta. Originalmente dividido em três volumes, teria ainda mais dois, que jamais foram escritos. Em 1889, o irascível Nietzsche teve um colapso nervoso e enlouqueceu. Passou os onze anos seguintes na cama, sendo cuidado por uma irmã, até falecer em 1900.

Nietzsche era crítico da modernidade e das tradições filosóficas do iluminismo e do racionalismo, sendo também avesso ao pensamento de Sócrates, Descartes e Kant. Era uma pessoa inquieta e inconformada. Tornou-se grande referência filosófica, tendo influenciado autores como Heidegger, Foucault e o polêmico psicólogo e escritor Jordan Peterson, autor do livro 12 Regras Para a Vida. O título faz parte de uma coleção chamada Manga De Dokuha (algo como "Aprendendo Com Mangá"), que verte para o estilo dos quadrinhos japoneses textos filosóficos, religiosos, científicos, políticos e até militares. O projeto foi publicado no Japão pela editora East Press Company, sob a supervisão do editor Kasuke Maruo. Com vários artistas não-creditados individualmente, as obras dessa coleção são assinadas pelo estúdio Variety Art Works. Mesmo produzida de forma coletiva, a arte tem uniformidade, com boa qualidade técnica.

Como qualquer adaptação de um livro para quadrinhos, perde-se muito em profundidade, mas ganha-se em emoção e ênfase. Porém, por ser uma obra filosófica, a perda de densidade é bastante prejudicial. Como tudo acontece rapidamente e há saltos no tempo, não se consegue atrair o mínimo de simpatia para a figura de Zaratustra, nem destacar seu lado humano ou suas angústias sendo canalizadas para um pensamento filosófico voltado ao aperfeiçoamento humano. Ele parece apenas uma pessoa revoltada que sai disparando frases de efeito irrefletidas.

Assim falou Zaratustra em mangá foi lançado originalmente pela L&PM Pocket em 2013, junto com alguns outros títulos da mesma coleção, tendo recebido nova impressão em março de 2020.

De maneira quase anacrônica, essa obra foi lançada com o sentido de leitura ocidental, algo talvez desnecessário para os leitores já habituados com o mangá. Para não-iniciados, no entanto, pode ser uma dupla descoberta: A da emoção dos quadrinhos japoneses e, neste caso, de uma das obras icônicas de um dos mais influentes filósofos do ocidente. (Agradecimentos a Luciano Oliveira e André Assi Barreto, do podcast sobre cultura, vida espiritual e filosofia Oliver Talk.) Saiba mais: - O homem mais solitário do mundo - Relendo Nietzsche


FICHA TÉCNICA:

Título: F. Nietzsche - Assim Falou Zaratustra Título original: Zarathustra wa Kaku Katariki ~ ツァラトゥストラはかく語りき Obra original: Friedrich W. Nietzsche

Roteiro e arte: Variety Art Works Supervisão: Kasuke Maruo Tradução: Drik Sada Formato: 10,6 x 17, 6 cm, com 208 páginas Total: Volume único Lançamento no Brasil: L&PM Pocket (2013) Classificação indicativa: 14 anos (sugerida)


----------------------------------


Campanha Sushi POP no Apoio Coletivo


- Gosta deste blog? Curtia as revisas que eu escrevia? Apoie o meu trabalho, doando qualquer valor a partir de R$ 5,00 e incentive a continuidade do meu trabalho. [Se preferir, tem o PIX: nagado@gmail.com]


Aplicativo p/ smartphone do Sushi POP


- Não perca nenhuma atualização. Já tem o app? Use esse código de convite: 6Q946U