top of page

A resolução que destruiu os programas infantis

Reflexões sobre a legislação que inviabilizou a programação infantil na TV aberta.

Há cerca de dez anos, a lei a Resolução 163/2014, do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA), proibiu quase toda a publicidade voltada a crianças, o que inclui comerciais de guloseimas e brinquedos. Na prática, isso inviabilizou a existência de programas infantis na TV aberta. Mesmo na TV por assinatura, há restrições quanto à linguagem e representações, mas ao menos houve maior tolerância.


Confira o que diz a lei:


Passados dez anos, o que ficou do legado dessa resolução jurídica? As crianças cresceram como adultos mais saudáveis por não terem sido expostas a comerciais de TV anunciando bonequinhos? Se tal legislação já existisse desde os anos 1980, não teria existido a febre de super-heróis de tokusatsu puxada por Jaspion e Changeman, ou a explosão dos Cavaleiros do Zodíaco e do animê na metade dos anos 90.


É sobre isso que o canal Recortes da Hora vai discorrer, sob o ponto de vista de um criador de conteúdo que também é pai. O Recortes é um canal de pensamento independente e alternativo (e, por isso mesmo, desmonetizado). Não por acaso, já estive lá algumas vezes trocando umas ideias. Vale uma conferida.



Nota do autor: Vou deixar aqui meu pitaco. É óbvio que crianças devem ser protegidas, mas crianças não vão a lojas comprar brinquedos, elas pedem aos pais ou adultos da casa, que devem sempre orientá-las quanto a isso, levando em conta a situação financeira, o merecimento ou o momento que vivem. Essa resolução reflete a típica mentalidade de um país controlado por políticos que veem o povo como um ente incapaz de tomar decisões corretas e que é facilmente influenciável. Incapacidade essa que desaparece, como num passe de mágica, quando a questão envolve a legitimação dos operadores do Sistema através de cargos eletivos. Aí o povo é sábio e soberano.


COMO APOIAR O SUSHI POP:


Você, que já leu várias matérias no Sushi POP, ou é leitor das antigas, já considerou a possibilidade de fazer uma doação única de pelo menos 10 reais para apoiar meu trabalho?


Se você quer apoiar o trabalho de divulgação cultural do autor (que vai além deste site), faça uma contribuição financeira a partir de R$ 10,00. A doação pela plataforma Apoio Coletivo pode ser única ou recorrente, de maneira pública ou anônima. Agradeço a todos os que já fizeram ao menos uma doação, não importa de qual valor.


- Caso prefira, pode doar qualquer valor através do PIX: nagado@gmail.com 


::: LINKS RECOMENDADOS :::




Kommentare


bottom of page