• Ale Nagado

Shadow Boy - Um clássico quase esquecido

Recorde - ou descubra - um animê de terror vindo de uma época ingênua e experimental.

Shadow Boy e seu inimigo Spectro na capa do disco com as músicas da série (1967).

Um garoto misterioso, dotado de grande força e possuidor de uma adaga mágica, luta contra seres sobrenaturais e monstros, especialmente o poderoso Dr. Spectro (Ghostar). Despertado de seu esquife de vidro para lutar pela justiça, seu nome é Shadow Boy (Shadar).

Com muito senso de proteção em relação aos mais fracos, ele viaja tentando ajudar pessoas, seguindo os passos de seu pai, um herói que lutou até a morte contra o pai de Spectro. A adaga de Shadow Boy é capaz de se transformar em uma espada, gerar luzes ofuscantes, emitir um raio de energia e criar cópias ilusórias de seu dono. Assim, ele consegue lutar de igual para igual com seu inimigo, que possui um bastão de combate com poderes similares.


A série é dividida em duas fases bem distintas. Na primeira, Shadow Boy combate as forças do Spectro viajando na aeronave Ion, criada pelo Dr. Polker (Dr. Manbo) e seu cão Xereta (Pokey). O Spectro tem como assistente um gato preto chamado Catta que, assim como Xereta, é antropomórfico e fala.

Na segunda fase, o cientista e o cão saem de cena, quando Shadow Boy se une ao menino órfão Roko, único sobrevivente de uma família assassinada. A parti daí, as histórias ganham um teor mais sombrio. Sem explicação, Catta sai de cena e entra um gato de aspecto realista chamado Black.

A versão em mangá.

De modo bastante incomum, Shadow Boy era uma série composta em episódios de 10 minutos (incluídos a abertura e os comerciais), exibidos de segunda a sábado. A cada seis capítulos, um arco de histórias era concluído. Depois, foram editados e compilados em 26 episódios de meia hora cada. Foi nesse formato exportado para alguns países, inclusive no Brasil, onde foi exibido nos anos 70 pelas TVs Tupi e Record (onde ficou até o começo dos anos 80). Alguns episódios podem ser encontrados no YouTube e Dailymotion, mas nenhum com imagem boa.


Shadow Boy foi uma série experimental de sobrenatural e terror para crianças. Não havia violência explícita e tudo era bastante estilizado, mas havia profusão de mortes e seres bastante bizarros e assustadores. Tecnicamente era uma produção bem descuidada e de traço meio grosseiro, mas que entregava histórias criativas que funcionavam muito bem na época. Era ideal para crianças que gostavam de um pouco de medo e aventura.

Monstros bizarros e aterrorizantes eram comuns na série.

A adaptação em mangá foi lançada simultaneamente à estreia na TV, tendo sido desenhada por Kentarou Nakajou (1938~2020) para a revista Bouken OH (Adventure King), da editora Akita Shoten. Nakajou trabalhou em adaptações para mangá de séries como Ultra Q, Ultra Seven, Kaiki Daisakusen e várias outras.


Shadow Boy é uma série meio esquecida, que não chegou a sair em VHS ou DVD e nunca foi remasterizada. Também não ganhou reconhecimento de obra cult, mas foi um produto bastante interessante de uma época em que o animê crescia como mídia de entretenimento e testava fórmulas e formatos.

::: FICHA TÉCNICA :::

Título original: Bouken Shonen Shadar ~ 冒険少年シャダー ("Aventuras do Jovem Shadar") Estreia no Japão: 18/ 09/ 1967 (Nihon TV e Nihon Housou Eiga) Total: 26 episódios (agrupando 156 episódios curtos)

Criação: Mitsuteru Okamoto Roteiro: Shadar Group (Makoto Tsuji, Shinichi Kuwashima e outros) Direção: Tadazo Kataoka e outros Planejamento e produção: Teruo Yamoto e Kensuke Fujii Produtores: Masami Niikura, Toru Ueno e Hiroo Mishima Realização: Nihon TV e Nihon Housou Eiga Emissoras no Brasil: TV Tupi e TV Record Versão brasileira: Cinecastro


Alexandre Nagado


-------------------------------------------------------

Campanha no ApoioColetivo