top of page

Patrulha Estelar (Yamato) - A série original

O início da mais influente saga espacial do animê, em todos os tempos.

Encouraçado Espacial Yamato

Uma das animações japonesas mais importantes e influentes de todos os tempos é Uchuu Senkan Yamato ("Encouraçado Espacial Yamato"), conhecido no Brasil como Patrulha Estelar.

Obra responsável pelo primeira grande explosão de popularidade entre o público japonês pela arte da animação, a Patrulha Estelar foi exibida com sucesso no Brasil na extinta TV Manchete na década de 1980. A partir de agora, vamos conhecer um pouco sobre a série que mudou a história da animação japonesa.


O distante planeta Gamilon está com os dias contados devido a um colapso em seu núcleo incandescente. Seu líder, o General Desslock, decide ocupar a Terra, considerada compatível para seu povo viver. Ele então inicia um ataque com bombas radiativas para forçar a rendição da humanidade. Mas Star-Sha de Iskandar, o planeta-gêmeo de Gamilon, oferece ao povo da Terra o Cosmo Cleaner, equipamento capaz de limpar a atmosfera da radiação. Para chegar a Iskandar, a Força de Defesa da Terra utiliza a carcaça de um velho navio de guerra e o transforma em uma poderosa nave espacial capaz de chegar a Iskandar.


A nave Argo (Yamato, no original) transporta diversos caças e é equipada com poderosos armamentos, com destaque para o devastador Canhão de Ondas em sua proa. Desslock, que ama Star-Sha, resolve não atacá-la e concentra seus esforços em impedir a Argo de chegar a seu destino, dando início a uma série de sangrentos combates.


Liderada pelo veterano Capitão Avatar (Juzo Okita, no original), a jovem Patrulha Estelar conhece os horrores da guerra em pleno espaço sideral em sua luta para salvar a Terra. A equipe principal é formada por Derek Wildstar (Susumu Kodai), Marc Ventury (Daisuke Shima), Sandor (Shiro Sanadá), Yuki Mori (Nova nos EUA, e Lola no Brasil), Homer (Aihara) e o Dr. Sam (Dr Sado, no original, e Sane, nos EUA), entre outros. Organizada com uma profunda disciplina militar, a equipe se porta como a tradicional marinha de guerra japonesa, mesmo vivendo em um futuro distante.

Ilustração promocional da saga.

Consta que a série original foi brevemente exibida na TV Record, tendo sido quase toda perdida no incêndio de 1981. Em 1983, a Herbert Richers (que também havia feito a dublagem) negociou a série com a estreante TV Manchete, que exibiu episódios que escaparam do incêndio, durante a fase experimental da Manchete, restrita a alguns pontos do Rio de Janeiro.


De qualquer forma, o grande público brasileiro conheceu a obra já em sua segunda temporada, com a batalha contra o Cometa Império. A produção fora trazida pelos estúdios Herbert Richers, que licenciou a versão exibida e alterada nos EUA para Star Blazers. Nessa adaptação, os nomes foram todos trocados, incluindo o da espaçonave, que de Yamato passou a ser Argo. Isso eliminou a ligação com o lendário navio da Segunda Guerra Mundial, que tem um profundo significado para o público japonês.


O sucesso além das expectativas obrigou a distribuidora Herbert Richers a ir buscar diretamente no Japão a série III, já que as anteriores haviam vindo dos EUA, onde foram editadas e adaptadas. Após algumas reprises da série II, a série III foi exibida com sucesso.


BASTIDORES DA PRODUÇÃO


A ideia de criar uma nova série de ficção científica com uma equipe a bordo de uma espaçonave era algo que estava na cabeça do produtor Yoshinobu Nishizaki (1934~2010) no começo da década de 1970.


Diferentes artistas foram contratados para colocar o projeto no papel, mas nada parecia funcionar. foi quando entrou em cena o autor de mangá Leiji Matsumoto, que apresentou um design que Nishizaki aprovou, e que era visualmente inspirado num mangá antigo chamado Shin Senkan Yamato. Seja como for, Matsumoto acabou se tornando a alma da produção. Ele criou todo o maquinário visto na série, desenhou mais de metade dos story-boards, contribuiu com ideias para o pano de fundo da história, esboçou personagens e ainda foi o diretor da série. Em paralelo, encontrou tempo para produzir uma versão em mangá da trama básica. Finalmente, em outubro de 1974, o Yamato estreou, mas o resultado ficou aquém das expectativas.


Na época em que foi lançada, a obra não fez muito sucesso, tendo perdido em audiência para Heidi - A Garota dos Alpes, sucesso estrondoso que também foi exibido no Brasil. Um tanto decepcionante em sua exibição original, as coisas para o Yamato mudariam nos anos seguintes, afetando a cultura japonesa como um todo.

ANIME BOOM E SEU IMPACTO CULTURAL


Logo depois que terminou sua exibição original, começaram as reprises em emissoras regionais pelo Japão. Pouco a pouco, a série começou a chamar a atenção do público. Depois de perceber que a série estava ficando popular em várias partes do país, foi produzido um longa-metragem, na verdade um resumo da série lançado em agosto de 1977 nos cinemas japoneses. Na nova edição, vários diálogos foram reescritos e regravados, bem como algumas cenas inéditas foram produzidas.


Apesar da produção precária, a exibição em cinema valorizou o roteiro e a brilhante trilha sonora de Hiroshi Miyagawa (1931~2006), o que despertou a atenção do público jovem e adulto.


As grandes tomadas de paisagens espaciais ganharam outra dimensão quando vistas em tela grande, e o público colegial e universitário se apaixonou pela obra. Começou uma verdadeira "Yamatomania", o que motivou a criação de um longa-metragem inédito em 1978, que posteriormente daria origem a uma série derivada, com várias alterações no enredo. Essa explosão de popularidade, que também criou a primeira onda otaku (de fãs hardcore), impulsionou a própria indústria do animê, criando o fenômeno chamado Anime Boom.

Disparando o Canhão de Ondas.

O design de personagens, inspirado no traço de Matsumoto, e as naves desenhadas por ele se tornaram febre, influenciando muitas produções. A franquia Ultraman lançou em 1979 a animação The Ultraman, com um traço bastante calcado no Yamato. O estilo de navio de guerra também influenciaria diretamente as naves da saga de robôs Gundam, lançada em 1979 e que ajudaria a impulsionar mais ainda o Anime Boom. E Gundam foi um projeto de Yoshiyuki Tomino, que trabalhou na produção do Yamato desenhando story-boards.


No Japão, entre a série II e a III foram realizados dois longa-metragens. Depois da série III, foi lançado um grandioso filme que foi o encerramento definitivo da saga durante muitos anos.

Nave de batalha Gamilon.

CRISE NOS BASTIDORES


Leiji Matsumoto e Yoshinobu Nishizaki brigaram durante anos na justiça pelos direitos do Yamato. É certo que o projeto Yamato partiu de Nishizaki, e Matsumoto foi um artista contratado para a produção. Mas, ele se envolveu muito com a obra e sua contribuição criativa nunca foi devidamente reconhecida, e os outrora parceiros se tornariam inimigos. Matsumoto chegou a produzir um mangá intitulado Great Yamato, que quase teve uma versão animê lançada, que acabou barrada na justiça. Nishizaki venceu a disputa judicial e o nome de Matsumoto foi varrido da franquia, mesmo que continuassem a usar seu marcante design e suas ideias.


Em 2009, um longa chamado Yamato Rebirth encerrou de vez a saga da equipe original. Na sequência, veio o filme live-action, que foi exibido no Brasil pelo canal por assinatura HBO. Em 2013 teve início o remake da franquia, com Yamato 2199, seguido de Yamato 2202 e Yamato 2205. Nishizaki faleceu em um acidente ao cair de seu barco, em 2010, e não chegou a ver o remake de sua maior realização.


Se hoje a animação japonesa é um fenômeno cultural mundial, com muitas produções voltadas a jovens e adultos, sendo um grande exemplo de soft power do Japão, grande parte do mérito cabe à série original do Yamato. Uma obra criativa, poética, cheia de bons valores e que transformou a indústria do animê para sempre.


Star-Sha

::: FICHA TÉCNICA :::


Patrulha Estelar

Título original: Uchuu Senkan Yamato ~ 宇宙戦艦ヤマト Título nos EUA: Star Blazers - The Quest For Iskandar Estreia no Japão: 06/ 10/ 1974 (TV Yomiuri) Número de episódios: 26 Emissoras no Brasil: TV Record e TV Manchete (fase experimental)


EQUIPE DE PRODUÇÃO Criação: Yoshinobu Nishizaki e Leiji Matsumoto

Planejamento: Yoshinobu Nishizaki

Composição: Toshio Masuda, Eiichi Yamamoto e Yoshinobu Nishizaki

Roteiro: Keisuke Fujikawa, Maru Tamura e Eiichi Yamamoto

Trilha sonora: Hiroshi Miyagawa

Design mecânico: Leiji Matsumoto e Studio Nue

Design de personagens: Nobuhiro Okasako Story-boards: Leiji Matsumoto, Noboru Ishiguro, Yoshiyuki Tomino e outros

Animação: Office Academy Direção de animação: Noboru Ishiguro (principal), Toyoo Ashida, Takeshi Shirato, Susumu Ishizaki, Shigeo Koshi e outros

Supervisão: Eiichi Yamamoto, Toshio Masuda e Aritsune Toyoda

Direção geral: Leiji Matsumoto

::: E X T R A :::


Uchuu Senkan Yamato ~ Abertura Letra: Yuu Aku / Melodia e arranjo: Hiroshi Miyagawa Intérprete: Isao Sasaki, c/ Musical Academy + Kazuko Kawashima (scat)


*******************************


- Você pode apoiar o meu trabalho de divulgação cultural em diferentes mídias, doando qualquer valor a partir de R$ 5,00 e incentive a continuidade do Sushi POP.

- A doação pela plataforma Apoio Coletivo pode ser única ou recorrente, de maneira pública ou anônima. - Se preferir, pode doar através do PIX: nagado@gmail.com - Muito obrigado pela atenção e apoio. Que Deus abençoe seu lar!

Comments


bottom of page